Brasileiros usam mais de um chip no mesmo celular para economizar

18/09/2015

Média é de mais de uma linha de telefone celular para cada habitante.

O esforço dos brasileiros pra economizar algum dinheiro produziu um fenômeno no mercado nacional de telefone celular, porque essa tecnologia foi desenvolvida exatamente para permitir que o dono fosse encontrado por quem liga, mesmo quando ele estivesse no trânsito, fora de casa ou no trabalho. Ou seja, a pessoa teria um número de telefone que o acompanharia o tempo todo, mas para muitos brasileiros não é assim.

O escritório do pintor de paredes Alexandre Saul de Sá cabe no bolso e na palma da mão. “É meu escritório ambulante, porque toca direto. Não para”, brinca. O aparelho tem dois chips. São duas linhas de telefone ao mesmo tempo. E não é por luxo, é uma questão de necessidade ou, para ser mais exato, de economia.

E ele já está pensando em aumentar. “Essa semana eu tive que fazer uma ligação para uma pessoa que eu atendo e acabou o crédito e eu não fechei o trabalho. Não deu para finalizar. Tive que adicionar mais crédito, porque ela era outra operadora. Aí eu vi necessidade de colocar mais uma operadora. Agora vão ser três operadoras. Daqui a pouco são quatro”, diz Alexandre.

É certamente um dos motivos para o Brasil ter atingido a marca de 138 linhas de celular a cada cem pessoas, ou mais de uma linha por pessoa. Em 2003, apenas um brasileiro em cada quatro era dono de um número de celular.

“Nosso modelo de telefonia é: quem chama, paga. Então, se o usuário de uma operadora está chamando o usuário da outra operadora, ele está fazendo o uso da rede da operadora dele e uma parte da rede da operadora do outro. A nossa legislação prevê uma remuneração para a operadora B feita pela operadora”, explica o professor da PUC-Minas Luciano Assírio Bossi.

O celular de dois chips já responde por praticamente dois terços do total de smartphones vendidos no país. O músico Lúcio Gugel não sai de casa sem os dois aparelhos, que carregam quatro chips de operadoras diferentes. “Chips pré-pagos você carrega duas vezes, R$ 15 por mês cada um. E, se falar só com os da mesma companhia, você vai usar o mês inteiro sem problemas. Minha despesa de telefone caiu 300%”, conta.

Marcelina resolveu a parada com dois números de celular e olho grudado nas promoções. Da última vez, pôs R$ 10 de crédito e recebeu quase R$ 1 mil. “Eu ligo para bastante gente, fofoca...”, brinca.

Fonte: O Globo