Brasil se prepara para novos serviços da tecnologia 5G

07/06/2018

A tecnologia 5G vai trazer uma nova geração de aplicações e serviços e gerar uma nova onda na economia digital. A adequação à nova era impõe desafios para a pesquisa, o desenvolvimento e a implantação, além de uma mudança profunda na arquitetura de rede. Essa foi uma das conclusões do IEEE 5G Summit, evento realizado no Painel Telebrasil 2018, de 22 a 24 de maio, em Brasilia.

No Brasil, o desenvolvimento do 5G passa pelo envolvimento de diferentes setores da sociedade, apontou Flávio de Oliveira Silva, professor da Universidade Federal de Uberlândia e coordenador do evento. Uma das ações mais relevantes no País é o projeto 5G Brasil, lançado em fevereiro do ano passado e que reúne representantes da indústria e das prestadoras de serviços de telecomunicações, do governo federal, Anatel, academia e centros de desenvolvimento tecnológico.

O 5G Brasil está, nesse momento, fazendo um levantamento de casos de uso e elencando os principais requisitos de 5G relacionados a eles. “Estamos construindo uma visão de como o 5G Brasil pode gerar contribuições para o 3GPP a fim de que possamos ter um 5G mais aderente às demandas do mercado brasileiro”, explicou Fabrício Lira, pesquisador do CPqD, um dos organismos do projeto.

Para o diretor do Departamento de Ciência, Tecnologia e Inovação Digital do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), José Gontijo, o Brasil precisa, além de um trabalho interno do ecossistema de telecom, firmar acordos multilaterais com a Europa, os Estados Unidos, Japão, China e Coreia.

“Temos atuado fortemente para engajar o Brasil no que vem acontecendo no mundo. Esse evento é mais um passo de muitos que ainda virão. Em novembro, teremos o Global 5G Meeting, no Rio de Janeiro. Tudo para que o Brasil possa estar a par e passo com os órgãos de padronização”, afirmou Gontijo.

Padronização

Rui Luis Andrade Aguiar, pesquisador do Instituto de Telecomunicações de Aveiro, Portugal, e membro da Network 20/20, organização voltada a políticas internacionais, mostrou-se reticente à publicação de uma padronização no final de 2019.

“A expectativa inicial era que no final de 2019, início de 2020, teríamos algo que seria o release 16 do 3GPP da rede 5G e também nessa época a União Internacional de Telecomunicações (UIT) apresentaria suas propostas de padrões (com o IMT 2020), quando teríamos liberadas as bandas de frequência para 5G. Mas já não temos essa perspectiva”, reforçou Aguiar.

Para o especialista, o 5G já é visto muito mais do que apenas para comunicações pessoais. As aplicações incluem as fábricas do futuro, condução assistida, e-health, por exemplo. “A equação de valor vai estar na nossa capacidade de desenvolver o 5G como a tecnologia que pode transformar a sociedade e os negócios”, completou.

Para Fabrício Lira, do CPqD, o 5G deverá continuar crescendo a capacidade e a largura de banda, mas também é a primeira infraestrutura de redes celulares a considerar de forma estruturada, desde a sua concepção, não apenas os casos de uso de banda larga móvel, mas também os de uso de IoT – ou conectividade massiva entre objetos – e a comunicação com elevado grau de confiabilidade e baixa latência.

“A partir desses casos de uso definidos pela UIT, foram construídos os requisitos, e é isso que a indústria está tentando desenvolver. O primeiro marco importante foi a definição da camada física, o New Radio, pelo 3GPP, responsável por essa padronização. E foi decidido nessa fase inicial garantir compatibilidade com o 4G, mantendo o OFDN como base na camada física”, afirmou. “As grandes mudanças estão ocorrendo nas camadas superiores, e esperamos que isso se consolide no release 16. Neste momento, o 3GPP trabalha em dois releases, o 15, que está em fase final, e o 16, que deve se estender até o final do ano”, acrescentou Lira.

Para Marco Di Constanzo, diretor de Engenharia da TIM, as quatro principais aplicações da 5G – banda larga móvel estendida, M2M massivo, comunicação de missão crítica e banda larga wireless fixa (FWA) – vão tornar a sociedade mais digitalizada, o que vai proporcionar um crescimento exponencial de dados da ordem de 50 hexabytes.

“O primeiro fator crítico de sucesso é a padronização. Uma prestadora de serviços de telecomunicações sem padrão não implementa nada. O padrão é a certeza de ter a tecnologia interoperando. O segundo são as frequências e como equalizar as diferentes faixas de espectro, cobertura, capacidade e latência. O terceiro insumo são os sites. Precisamos construir mais infraestrutura, mas ainda existem leis restritivas. A Lei Geral de Antenas é de 2015, mas três anos depois ainda não foi efetivada”, lembrou Di Constanzo.

Veja mais matérias da Newsletter da Telebrasil

Propostas do Painel Telebrasil 2018
Telecomunicações precisam estar na agenda prioritária de Governo


O presidente da Telebrasil, Luiz Alexandre Garcia, diz que a indústria está ávida para fazer investimentos, mas que é preciso que se definam políticas públicas que deem prioridade ao Brasil Digital. Leia mais

Brasil necessita desbloquear dinheiro velho para investir em banda larga


A afirmação é do presidente da Telefônica Vivo, Eduardo Navarro. Segundo ele, a digitalização precisa estar na agenda pública de todos os candidatos a cargos eletivos. “O momento é perfeito para termos um compromisso”, observa. Leia mais

Brasil Digital: o momento é de fazer


Os projetos e as ideias estão à mesa e já foram muito debatidos; o momento é de agir, adverte o presidente da Algar Telecom, Jean Carlos Borges. Leia mais

Serviços digitais precisam ser relevantes para o consumidor


A digitalização no Brasil não avança mais rápido porque os investimentos do setor não são potencializados como deveriam devido aos entraves regulatórios e tributários, diz o vice-presidente de Assuntos Regulatórios da TIM Brasil, Mario Girasole. Leia mais


Copyright © 2017-2018 Telebrasil - Associação Brasileira de Telecomunicações ... Todos os direitos reservados

Produção e edição:Editora Convergência Digital