Telecomunicações precisam estar
na agenda prioritária de Governo

07/06/2018

O setor de telecomunicações não está na agenda prioritária da Presidência da República, lamentou o presidente da Telebrasil, Luiz Alexandre Garcia, durante o Painel Telebrasil 2018, realizado de 22 a 24 de maio, em Brasília. Segundo ele, a indústria está ávida para fazer investimentos, mas precisa de políticas públicas que priorizem o Brasil Digital. “A digitalização é o caminho do século 21”, sustentou.

Em entrevista à Newsletter da Telebrasil, Luiz Alexandre Garcia enfatizou que há medidas a serem tomadas, agora, em prol da digitalização: a aprovação do PLC 79, que revisa o marco regulatório e desonera investimentos, a isenção do Fistel [Fundo de Fiscalização das Telecomunicações] para Internet das Coisas, e por fim, a permissão para a experimentação de serviços digitais, uma vez que não se conhece quais serão os novos hábitos dos consumidores.

Às prestadoras de telecomunicações, Garcia disse que a missão do setor é prover conectividade para toda a sociedade brasileira. “Não precisamos de capital, nem de tecnologia. Mas de políticas públicas.”

Propostas do Painel Telebrasil 2018 Medidas urgentes

No Painel Telebrasil 2018, a Associação Brasileira de Telecomunicações divulgou as Propostas do Painel Telebrasil 2018, com uma série de medidas para tornar o Brasil Digital.

No documento, entregue às autoridades presentes e que será encaminhado aos presidenciáveis, a Telebrasil enfatiza que “Telecomunicações são a infraestrutura digital do País, mas estão fora da agenda pública, limitadas por leis defasadas, regulamentos atrasados e complexos e obrigações desatualizadas.”

A entidade propõe uma atuação em quatro frentes de trabalho: 1) Todos os brasileiros conectados à internet; 2) Maior cobertura de celular e internet móvel e fixa; 3) Uso intensivo de IoT; e 4) Implantação de serviços de Cidades Inteligentes.

O documento sugere uma série de ações baseadas em atualização legal e regulatória, promoção da inclusão digital e redução das barreiras aos investimentos do setor privado.

Caso todas as medidas sejam contempladas, o setor se compromete a, até 2022, entregar:

  • Atendimento a 10 milhões de novos domicílios com internet em banda larga
  • Instalação de 50 mil novas antenas de celular e internet móvel no País
  • Ativação de mais de 100 milhões de dispositivos IoT
  • Implantação de serviços de Cidades Inteligentes em cidades com mais de 500 mil habitantes
  • Criação de 100 mil novos empregos
  • Qualificação de mais de 1 milhão de profissionais especializados

Leia a íntegra das Propostas do Painel Telebrasil 2018.

Veja mais matérias da Newsletter da Telebrasil

Brasil necessita desbloquear dinheiro velho para investir em banda larga


A afirmação é do presidente da Telefônica Vivo, Eduardo Navarro. Segundo ele, a digitalização precisa estar na agenda pública de todos os candidatos a cargos eletivos. “O momento é perfeito para termos um compromisso”, observa. Leia mais

PLC 79 tem de ser aprovado com urgência para liberar investimentos à digitalização


O presidente da Oi, Eurico Teles, afirma que as operadoras têm toda a capacidade para modernizar o Brasil, mas precisam de políticas públicas que incentivem os investimentos em novas infraestruturas. Leia mais

Brasil Digital: o momento é de fazer


Os projetos e as ideias estão à mesa e já foram muito debatidos; o momento é de agir, adverte o presidente da Algar Telecom, Jean Carlos Borges. Leia mais

Serviços digitais devem ser relevantes para o consumidor


A digitalização no Brasil não avança mais rápido porque os investimentos do setor não são potencializados como deveriam devido aos entraves regulatórios e tributários, diz o vice-presidente de Assuntos Regulatórios da TIM Brasil, Mario Girasole. Leia mais


Copyright © 2017-2018 Telebrasil - Associação Brasileira de Telecomunicações ... Todos os direitos reservados

Produção e edição:Editora Convergência Digital