Big data é investimento para estreitar relacionamento com o consumidor

06/03/2018

A maior parte das prestadoras de serviços de telecomunicações na América Latina – 60% – tem soluções de Big Data Analytics (BDA) para melhorar e personalizar a experiência do cliente, segundo Marcelo Kawanami, gerente para a América Latina na Global Data (ex-Pyramid Research). Um estudo da consultoria, feito com 17 telcos da região, constatou ainda que para 53% o uso da análise de dados também está direcionado para melhorar a produtividade.

“As prestadoras de serviços de telecomunicações estão adotando big data para processos internos e percebendo que podem usar a enorme base de dados a que têm acesso para vender o serviço de big data”, ressalta Kawanami, dando como exemplo a Vodafone, que, na Europa, incluiu a plataforma de big data conectada à internet das coisas para oferecer serviços de seguro inteligente (smart insurance).

Com os dados, a seguradora tem acesso ao perfil do comportamento do motorista. “Este é um grande caso, em que a telco usa big data para prestação de serviços a terceiros e não somente para melhorar a eficiência interna”, disse. No Brasil, para metade das empresas entrevistadas, o uso da análise de dados visa a auxiliar o lançamento de produtos e serviços. “Vemos dois pilares como foco: melhorar a experiência do consumidor e estruturar melhor o mix de produtos e serviços”, enfatiza.

O caminho para a construção de plataforma de big data envolve desde uma estrutura de hardware para coleta dos dados à pesquisa e indexação de milhares de dados em tempo real. O nome do jogo se chama integração, apontada por 53% das empresas como uma das etapas mais complexas para melhorar o uso dos dados.

Ao agregar valor ao negócio, o big data oferece grandes oportunidades para a geração de receita, atesta a Frost & Sullivan. “Os dados dos usuários, serviços, redes, localização e fontes de gerenciamento podem ser monetizados através da promoção de produtos, propaganda direcionada, up-sales, qualidade de experiência (QoE) e otimização de rede”, observa Carina Gonçalves, analista da Indústria de Transformação Digital.

O maior problema, acrescenta a especialista, é a falta de mão de obra qualificada para trabalhar na análise de dados. De acordo com dados da consultoria, o total de investimentos (CAPEX) do mercado de telecomunicações em big data no mercado latino-americano atingiu US$ 633,3 milhões em 2016 e deverá alcançar US$ 1.779,2 milhões em 2022, liderados pelo Brasil e México.

Veja mais matérias da Newsletter da Telebrasil

Indústria 4.0 exige prioridade à tecnologia

Investimento maior é imperativo para o Brasil equiparar-se a outros países nos quesitos competitividade e produtividade. Leia mais

ARTIGO
Tributo “Zero” para um Brasil no Século XXI

O secretário geral da ConTIC, Febratel, SindiTelebrasil e Telebrasil, Cesar Rômulo, adverte que a excessiva carga tributária imposta ao mercado de telecomunicações é o maior obstáculo para o incremento dos serviços digitais ofertados ao cidadão. Leia mais

Brasil ativa em janeiro 74 celulares 4G por minuto

No primeiro mês do ano, 3,2 milhões de novos chips 4G entraram em operação, somando 105,5 milhões de acessos ativos. Leia mais


Copyright © 2017-2018 Telebrasil - Associação Brasileira de Telecomunicações ... Todos os direitos reservados

Produção e edição:Editora Convergência Digital